o silêncio e a observação

Uma visita inesperada neste sábado à noite me fez ficar coruja 1024x768 o silêncio e a observaçãoem casa. Da janela de meu quarto podia vê-la, e ela a mim. E assim ficamos em um profundo silêncio contemplativo por alguns minutos.

A minha pouca paciência, reflexo da velocidade imposta pela atual sociedade do “agora ou nunca” me fez desistir do duelo imposto. E isso me custou a ânsia de, a todo momento, voltar e dar uma espiadela pra ver se ali ainda estava minha companheira daquela noite. Ela, sem pressa e sem dor, seguia firme em seu propósito. Em silêncio, me ensinou a calar.

Foi através de seus olhos penetrantes que pude ver como somos ridiculamente rápidos. A velocidade é um dos principais fatores de nossa sociedade. A quebra da distância pela velocidade e pela facilidade de comunicação/transporte. A quebra do tempo.

Olhei novamente pro meu PC, com as janelinhas do MSN piscando. Com as páginas se atualizando. Com o vídeo que baixava. Com o texto que escrevia. E ao olhar novamente pra ela, sua paciência me ensinou a parar.

Percebi como vivo (vivemos?) em um mundo veloz. Não somente no dia a dia, no trânsito, na tecnologia. Vivemos em um mundo em que não temos tempo nem mesmo pra saber o que queremos. O que fazemos afinal? Porque corremos tanto? Pra que? Algumas pessoas nem mesmo sabem responder. Eu também não sei. Mas questiono.

Percebi então como é difícil se desligar deste mundo conectado. Pensei no MSN que sempre está aberto. No gmail que me notifica a cada nova mensagem que recebo. Nas revistas que me falam tanto de tudo. Nos sites que me levam pra outras realidades. Pensei no meu celular, que só desliga quando está sem bateria. E pensei em vocês, todos vocês que estão na mesma neurose comunicativa. Àquela que sentimos todos os dias, a qual nos impulsiona a querer (e ter) que buscar informações de todas as maneiras, sejam elas de nossos amigos, conhecidos ou desconhecidos.

Percebi então como estamos atolados em um mundo que não se desliga. Que como cães em um carro vemos tudo passar rapidamente, pela janela, e não temos tempo de nos ater ao que nos interessa. Estamos na autovia da comunicação, e, no final das contas, melhor estar nela do que marginal a ela. Então seguimos assim, correndo.

Naquela noite, o sono não chegou com tanta rapidez. E ali, sozinha com meu travesseiro pude perceber como o silêncio nos espanta. Pois ele traz consigo a força da respiração. Alguns segundos já me levaram para um outro plano: aquele em que estamos meio acordados e meio dormindo. Ainda não sonhamos, mas pensamos. Confesso que já são pensamentos soltos, pensamentos sem métrica, sem lógica, sem rumo. São eles que nos carregam pro mundo dos sonhos, isso, senão formos interrompidos por algum chamado.

share save 171 16 o silêncio e a observação
Esta entrada foi publicada em leituras que inspiram, Sem categoria, viajANDO e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

2 respostas a o silêncio e a observação

  1. Amarelo disse:

    É, o silêncio é as vezes ensurdecedor!! Muitas pessoas tentam adequar seu tempo e contar cada segundo que passa e tentar aproveitá-lo ao máximo se ocupando com alguma coisa. Mas que a reflexão fundamental é a de que a contemplação, o relaxamento e o momento em silêncio também são partes do todo que compomos.

    Por isso, creio que devemos ser gratos por cada segundo que vivemos, para não achar sempre que estamos “mal aproveitando o tempo”, mas sim, aproveitando-o de outras formas. Carpe diem Beta!

  2. projetocancion disse:

    Tem coisas que só podemos entender em silêncio, sentindo, sendo. Sem máscara de linguagem, de conceituação – as coisas simplesmente vibrando, existindo. Mas é bem louco, gostei da idéia, autopista da informação. Sinto bem forte esse sentimento de que há tanto que se conhecer no mundo, e minha vida é tão ínfima pra conhecer todas as genialidades. E isso se eu for pensar só em música e literarura e toda a sabedoria e sensibilidade contida dentro delas. Agora há internet, quase tudo é disponível, mas meu tempo é um só e há várias formas de conhecimento.
    Essa reflexão é muito “início de inverno”. Acho que estamos todos assim. Ainda bem que ainda temos alguma sincronia com a Terra e o Universo!!
    Bejão Rô!!! Corujas são mágicas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>